A Invasora

À l’intérieur – 2007

Direção: Alexandre Bustillo, Julien Maury

Roteiro: Alexandre Bustillo

Elenco: Alysson Paradis, Béatrice Dalle, François-Régis Marchasson, Nathalie Roussel


Vou dar uma de Do Contra e apresentar uma opinião contrária a maioria dos comentários na Internet referentes a esse filme. “A Invasora” pode até ser um filme tenso com grandes cenas gore, mas a burrice das personagens e a falta do que mostrar é tão latente que filme bira o insuportável. Depois de esperar alguns minutos, aonde o filme ainda é legal, com cenas de suspense dando um clima de tensão muito bom, a coisa descamba para a burrice cavalar das personagens, cada um a seu tempo toma decisões tão idiotas que parecem competir umas com as outras pelo troféu do asno do ano.

Após um acidente de carro quando perdeu o marido, Sarah (Alysson Paradis) segue solitariamente a sua vida. Ela está gravida do marido morto e fará o parto na manhã do dia de Natal. Depois de recusar ceiar na casa da mãe, Louise (Nathalie Roussel), Sarah passa a noite em casa, apenas esperando que na manhã seguinte seu chefe e amigo Jean-Pierre (François-Régis Marchasson) venha buscá-la para o parto.

A noite silênciosa é quebrada por uma estranha (Béatrice Dalle) batendo na porta e pedindo para dar um telefonema, assustada Sarah recusa a ajuda e pede para a mulher ir embora e ai começa o tormento da noite, a mulher que não se identifica mostra que conhece Sarah e que ela está sozinha em casa. Sarah pega o telefone e liga para a polícia, que quando chega não encontra ninguém, prometendo que alguns policiais irão aparecer durante a noite para checar se está tudo ok.

Quando Sarah está dormindo, a mulher surge no quarto, e com uma tesoura afiadíssima faz um corte próximo ao umbigo, acordando Sarah que toma outra tesourada na boca. Ela consegue de livrar da mulher e corre para o banheiro e fecha a porta. Nesse momentos temos a primeira decisão idiota do filme, em banheiros existem janelas e de janelas você pode tentar duas coisas, ou fugir ou gritar que nem um doido pedindo ajuda, Sarah não faz nenhuma das duas, apenas fica lá trancada esperando a morte da bezerra.

A mulher, que não tem nome no filme, continua na casa esperando alguma bobeada de Sarah, quando Jean-Pierre aparece e pensando se tratar de Louise bate um papinho com ela. Papo vai papo vem, a verdadeira Louise chega em casa e sem saber quem são os dois corre para o andar de cima procurando a filha e vlapt… toma uma furada com aqueles pauzinhos de prender cabelo no pescoço, o detalhe é que quem da o golpe é Sarah, pensando que a mãe fosse a sua perseguidora. Jean-Pierre sobe para ver o que aconteceu e ai entra a tesourada da mulher, que perfura o cara em vários lugares, mas de todos um na região localizada entre as pernas deve ter doido mais que todas. Depois dessa carnificina toda, Sarah continua trancada no banheiro sem pedir ajuda e a mulher lá embaixo esperando que alguma coisa aconteça.

E acontece, conforme prometido a polícia aparece para verificar se está tudo ok. Dois policiais batem a porta e é a mulher quem atende se fazendo passar por Sarah, após confirmar que está tudo certo, os policiais vão embora, mas ai um se toca que a vítima estava grávida e a mulher que atendeu a porta não estava. Enquando isso, Sarah, que ouvindo a campainha em ve de gritar frenéticamente, tenta sair e acaba tomando uma tesourada e ficando com a mão presa na parede. Os policiais voltam a bater na porta e a mulher desce para abrir, mais espertos que da primeira vez, eles entram e enquanto um sobe o outro fica vigiando a mulher. O policial que sobe as escadas acaba vendo o corpo de Louise e pede para seu colega algemar a mulher e continua subindo em direção ao banheiro. Ele vê a tesoura na mão de Sarah e se identificando como policial diz que vai tirar a tesoura e pede a ela para abrir a porta depois. Agora temos um belo momento de surdez no filme, o policial que estava em baixo, cuidando de algemar a mulher, toma uma furada no olho com mais um pauzinho de prender cabelo (desculpem, mas não sei nome melhor para aquilo) e acaba morrendo após mais algumas perfurações e isso tudo não foi ouvido pelo seu colega que estava com Sarah. Como burro só se ferra, a mulher pega a arma do policial morto, sobe e da um tiro que esparrama a cabeça do cara e mais uma vez Sarah se tranca no banheiro.

Um outro policial que estava na mesma viatura dos outros dois escuta os tiros e em vez de chamar reforços, sai do carro levando consigo um jovem que haviam prendido minutos antes. A inteligência desse policial não acaba por ai, além de enfrentar uma situação de perigo sozinho e com um civil para fazê-lo perder tempo, ao encontrar Sarah ele dá uma arma a ela e deixa-a sozinha para descer e acender as luzes que misteriosamente se apagaram. Mais uma vez, um burro se ferra e a mulher, que nesse momento está batendo recordes de assassinatos violentos seguidos, elimina o policial e o pobre jovem que nada tinha a ver com a coisa.

Sarah em um outro momento de raciocino lógico se deita na cama e após um momento de lesbianismo sem o menor sentido, ela em vez de sentar uma bala na cabeça da mulher resolver morder o labio dela e desce para o andar de baixo e em vez de ir embora, decide caçar sua perseguidora, mas ai já é burrice demais para eu contar a vocês e este post ficou grande demais para um filme tão tosco.

Definitivamente existem filmes gore melhores viu, se fossem apenas as carnificinas, o filme seria muito bom, mas como ele possui os maiores momentos de pura idiotice, não presta.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: