Hobo with a shotgun

“Hobo with a Shotgun” é um filme extremamente simples e provavelmente para grande maioria do público, uma grande porcaria. Na verdade, o filme não é para um grande público, sendo limitado a aquelas pessoas que não se importam com sangue voando e curtem um cinem trash.

O filme é oriundo de um dos trailer de “Grindhouse” e assim como “Machete”, não tem medo de ser tosco. As cores são bem saturadas, os personagens bem caricaturais e as situações bem caóticas e surreais. Temos um vilão louco e sanguinolento, cidadãos acuados e sem defesa e um sem teto que do nada resolve salvar o dia e livrar a cidade do caos. Se bem que falar do nada é injustiça, já que ele tem o peito retalhado antes de tomar a decisão de partir para a porrada.

A cidade é o caos absoluto e é dominada por Drake (Brian Downey), um psicopata junto com seus dois filhos. A família Drake comanda a polícia corrupta, o tráfico de drogas e promove joguinhos divertidos como cortar a cabeça das pessoas, tacar fogo em ônibus escolar e colocar a galera para brigar até a morte. É nesse caos que aparece o sem teto, vivido pelo replicante Rutger Hauer.

Já nos primeiros minutos, Drake mostra seu poder, matando seu irmão na frente de um bom número de pessoas, inclusive do sem teto. O andarilho, recém chegado na cidade, observa que ali a justiça não manda em nada e aos poucos vai tomando uma atitude mais enérgica. A primeira que ele salva é Abby (Molly Dunsworth), uma prostituta que quase se ferra nas mãos de um dos filhos de Drake. Depois do ato de heroísmo, ser escorraçado pela polícia, ter o peito cortado e presenciar um asalto a uma loja, o sem teto toma uma decisão e com uma espingarda começa a fazer justiça com as próprias mãos. Óbvio que sair por ai dando tiros não agrada Drake, que o coloca como inimigo público número um, iniciando uma onda de violência contra todos os mendigos.

As cenas como já disse são bem saturadas e usa uma coisa perdida nos anos 80, a ultra violência. Ah que saudade de dilacerações surreais e não me refiro as porcarias usadas em “Jogos Mortais” e “Albergues” da vida.

Um elemento que chama bem atenção do filme é que apesar de ter sangue jorrando, cabeças rolando e mãos sendo destroçadas, a carga dramática é boa. Os diálogos são bem construídos e o sem teto se apresenta como um grande personagem.

Comparações óbvias com “Machete” devem ser feitas, afinal os dois vieram da mesma fonte. “Hobo with a shotgun” é tudo que “Machete” deveria ser, se os seus idealizadores tivessem culhões (palavra maneira) para fazer. Aqui, tudo que se promete é cumprido, a violência, a tensão e a glorificação do cinema trash são bem feitas e fazem dessa produção menor, melhor que a do irmão “rico”.

Muito provavelmente, o filme se tornará cult nos próximos anos, e com grandes méritos.

Nota: 8

Título original: Hobo with a shotgun

Direção: Jason Eisener

Roteiro: John Davies, Jason Eisener, Rob Cotterill

Elenco: Rutger Hauer, Brian Downey, Molly Dunsworth, Gregory Smith, Nick Bateman, Jeremy Akerman, Robb Wells

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: